O que você esta procurando?

FEISMA - Palestra Gratuita - SONNEN ENERGIA

Energia Solar: Investimento e economia Dia 18 de novembro de 2017 às 19h no auditório da FEISMA. (Vagas Limitadas)

Como conheceu a Sonnen Energia?
Rede SocialE-mail MarketingJornalPesquisa GoogleOutros

Energia Térmica X Energia Fotovoltaica: entenda as diferenças

Energia Térmica X Energia Fotovoltaica: entenda as diferenças

Energia Térmica X Energia Fotovoltaica: entenda as diferenças

A luz do sol além de ter indispensável para a nossa existência na terra, (isso todo mundo já sabe), pois é a fonte de energia que mantém os ecossistemas aqui neste planeta, também tem sido uma grande aliada na economia de energia elétrica.

Com a evolução da tecnologia foram desenvolvidas maneiras de aproveitamento da luz do sol, e hoje separamos as duas mais utilizadas quando o assunto é energia solar. Energia Térmica e Energia Fotovoltaica, porém exigem tecnologia distintas.

Enquanto a Energia Solar Térmica é destinada ao aquecimento, a Energia Solar Fotovoltaica gera eletricidade que pode ser consumida em casas ou empresas. Ambas são ótimas formas de eficiência energética e economia. Como a energia solar térmica está no mercado brasileiro de forma viável a mais tempo, as duvidas podem acontecer com mais frequência sobre a  tecnologia fotovoltaica.

 

Por isso, vamos te explicar as principais diferenças, como a composição do sistema e funcionamento.

 

Energia térmica

 

Energia solar térmica já é bastante difundida no Brasil. O que não significa que o país tenha alcançado todo seu potencial para aproveitar a radiação solar no aquecimento da água utilizada em chuveiros, torneiras, piscinas ou processos industriais.

Entre 2010 e 2015, o Brasil foi um dos cinco países com maior adição de energia solar voltada para aquecimento. Ainda assim, o crescimento foi menor do que o esperado frente ao potencial do país.

 

Como funciona

Os hábitos de consumo de água são informações essenciais para a definição das características do sistema de energia solar térmica.

Para elaboração do projeto de aquecimento solar em prédios, unidades industriais e comerciais, como hotéis e hospitais, o ideal é consultar o suporte técnico dos fabricantes, para um dimensionamento preciso.

Em residências a definição pode partir de um cálculo prático, com base no consumo diário de água quente por pessoa. E também na área coletora exigida para aquecer o volume de água, que varia conforme a região.

Lembrando que a área disponível e as condições de instalação das placas também influenciam na definição do sistema ideal.

 

Composição do sistema

Basicamente, o sistema é composto por coletores solares e um reservatório térmico (boiler) para armazenar a água até o momento do consumo. As placas são constituídas por uma caixa externa de alumínio, serpentinas internas de cobre e isolamento, em poliuretano ou lã de vidro ou lã de rocha. A parte escura, também chamada de aleta e que tem função de absorver e transferir por meio das serpentinas a energia solar para a água, é feita de alumínio ou cobre pintado com tinta especial. A cobertura é de material transparente, geralmente vidro ou acrílico.

 

 

Energia fotovoltaica

 

Como funciona

Em um sistema fotovoltaico os painéis normalmente são constituídos por células de silício, que convertem a luz do sol diretamente em eletricidade. As células fotovoltaicas que compõem os painéis geram corrente elétrica ao ser expostas ao Sol. Esta energia passa por um equipamento que trata a corrente para que ela fique com as características ideais para o consumo.

 

O sistema de compensação de energia elétrica previsto pela REN 482/2012 tem como benefício a possibilidade de economia na conta de luz. Nos meses em que o sistema de geração distribuída gerar mais do que consumir, serão disponibilizados créditos de energia. Esses créditos são válidos por 60 meses e podem ser abatidos na conta do próprio consumidor.

 

O projeto do sistema fotovoltaico tem como base os dados sobre o consumo médio de energia (em kWh). A localização geográfica do imóvel e as condições arquitetônicas para a instalação das placas fotovoltaicas também interferem no dimensionamento.

Pode ser identificada, por exemplo, a necessidade de uma estrutura auxiliar para a fixação dos painéis, caso a inclinação do telhado seja plana ou em ângulo desfavorável.

 

Depois de saber a quantidade de painéis necessários e verificar o padrão da rede elétrica, é projeto o sistema, definindo o tipo e número de inversores (responsáveis por transformar a energia em corrente alternada, 110 V ou 220 V), além de determinar o tipo de estrutura para fixação, cabeamento e proteções elétricas.

 

Composição do sistema

Um sistema fotovoltaico possui quatro componentes básicos: Painéis solares que fazem o papel de coração, “bombeando” a energia para o sistema. Podem ser um ou mais painéis e são dimensionados de acordo com a energia necessária. São responsáveis por transformar energia solar em eletricidade.

Os Controladores de carga funcionam como válvulas para o sistema. Servem para evitar sobrecargas ou descargas exageradas na bateria, aumentando sua vida útil e desempenho.

Inversos são responsáveis por transformar os 12 V de corrente contínua (CC) das baterias em 110 ou 220 V de corrente alternada (AC), ou outra tensão desejada. No caso de sistemas conectados, também são responsáveis pela sincronia com a rede elétrica. E também as baterias, que trabalham como pulmões. Armazenam a energia elétrica para que o sistema possa ser utilizado quando não há sol.

Gostou do nosso texto? Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro do mercado fotovoltaico:  FacebookLinkedinInstagram. 

 

Orçamento gratuito

 

 

Sem comentários
Deixe um comentário